Agende sua consulta (011) 3159- 1921 / (011) 3129-3416 / (011) 99180-3987

              

For up to £250 Bonus for sports, use our exclusive bet365 Bonus www.abonuscode.co.uk Claim your bonus and start betting at bet365 now.

Vamos falar de Obesidade Infantil - Primeiro: Não Cause Danos!

 

Convidamos a Doutora Denise Lellis (https://www.dradeniselellis.com.br/), Pediatra e nutróloga infantil pelo HCFMUSP para nos fornecer algumas informações muito importantes sobre Obesidade Infantil! 

Primeiro, não cause danos!

Nos últimos 40 anos o conhecimento científico sobre nutrição humana cresceu de forma exponencial. No mesmo período, no entanto, a obesidade em todo o mundo se tornou o maior desafio epidemiológico que a medicina já enfrentou. Ou seja, pela primeira vez na história da medicina parece que quanto mais sabemos sobre um assunto menos sabemos como resolvê-lo.1

O aumento nos números da obesidade não respeita classe social, religião, idade, gênero nem diferenças culturais, e vem crescendo em todos os continentes. Só entre as crianças o aumento foi de 50% nos últimos 40 anos1.

Então nada mais natural do que a busca incessante por uma explicação.

Todos os anos centenas de estudos são publicados discorrendo sobre teorias isoladas que expliquem o aumento de peso de todo o mundo. Alguns apontam para o sedentarismo, outros para a qualidade e quantidade alimentar, já culparam a microbiota intestinal, a falta de sono, a ansiedade, a publicidade, o hábito de fazer dietas restritivas, os automóveis, os tipos de partos, até os ares condicionados já forma apontados como “culpados” epidemia de obesidade além é claro da conhecida engrenagem genética envolvida na origem do excesso de peso. Mas o fato é que trata-se de um grande quebra cabeças e nós nem sabemos ainda quantas peças tem2.

Entre as crianças é ainda pior porque na busca pelos “culpados” os pais em geral são tratados de forma tão inadequada pela sociedade e pelos profissionais de saúde que estudos já comprovaram que a qualidade de vida de famílias de crianças obesas é a mesma de crianças diagnosticadas com câncer3.

Artigos nacionais e internacionais falam sobre o preconceito que crianças obesas sofrem na escola. Isso não parece novidade, o que surpreende é que segundo um estudo americano, nos últimos 40 anos a rejeição pela criança obesa por parte de outras crianças piorou 40%. E mais grave do que isso o preconceito de profissionais de saúde por crianças obesas além de também ter aumentado pode ter consequências emocionais ainda mais graves4.

O motivo pelo qual pais e mesmo crianças procuram ajuda médica ou nutricional para tratamento de obesidade nem de longe é “preocupação com a saúde”. Cuidar da saúde faz parte do discurso sim de profissionais e de pacientes, mas o que mais leva crianças obesas ao consultório é sofrimento emocional e dependendo do como a questão é abordada pelo profissional pode causar ainda mais sofrimento5.

Frases por parte dos profissionais como: “seu filho precisa emagrecer porque obesidade pode causar infarto no futuro” ou por parte dos pacientes como: “Doutor eu sei que ele precisa emagrecer porque não quero que ele tenha diabetes no futuro.” São frases comuns mas não retratam os reais motivos da busca pelo tratamento e nem a urgência na busca de resultados.

O Hospital Universitário da USP e 2011 mencionou que das 60 crianças que haviam passado por atendimento no Ambulatório de Obesidade Infantil, 53 haviam chorado na primeira consulta e nenhuma chorou por medo de infarto ou diabetes e sim por sofrimento emocional que envolvia também experiencias ruins em serviços de saúde.

Em 2017 a Academia Americana de Pediatria publicou um artigo que alerta profissionais para o estigma vivenciado por crianças e adolescentes com obesidade em serviços de saúde. No documento a sociedade alerta sobre a importância da empatia por parte de profissionais que lidam com crianças obesas e suas famílias e ressalta a importância da EMPATIA e do NÃO JULGAMENTO norteando qualquer tratamento5.

É importante refletir antes da implementação de programas de “prevenção de obesidade infantil” e principalmente definir antes de tudo o que NÃO É um programa de prevenção.

Pesar e medir crianças em escolas e expor seus estados nutricionais para os colegas não previne obesidade. Falar para uma criança sobre a função dos nutrientes no corpo e sobre todas as doenças e mortes que a obesidade pode causar não previne obesidade. Apontar o dedo para um culpado não previne obesidade. Acusar pais e crianças de serem preguiçosos e “sem força de vontade” não previne obesidade6.

O que previne obesidade é promover saúde em todas as crianças e não somente naquelas que estão acima do peso, mesmo porque crianças magrinhas podem ter um estilo de vida tão ruim quanto ou até pior do que crianças com excesso de peso.

Já temos evidencias suficientes para afirmar que se quisermos prevenir e tratar obesidade infantil o mais importante é primeiro, não causar danos!6

  1. Ng M, Fleming T, Robinson M, Thomson B, Graetz N, Margono C, et al. Global, regional, and national prevalence of overweight and obesity in children and adults during 1980-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. 2014; 384(9945):766-81.
  2. Dattilo NA, Birch I, Kreb NF et al. Need for early interventions in the preventio of pediatric overweight: A rewiew and upcoming directions, J Obesity. 2012;1 – 18. (p.4,5)
  3. Schwimmer JB, Burwinkle TM, Varni JW. Health-related quality of life of severely obese children and adolescents. JAMA. 2003;289(14):1813–1819
  4. Latner JD1, Stunkard AJ. Getting worse: the stigmatization of obese children. Obes Res. 2003; 11(3):452-6.
  5. Stephen J. Pont, Rebecca Puhl, Stephen R. Cook, Wendelin Slusser, Section on   obesity, The Obesity Society, Stigma Experienced by Children and Adolescents With Obesity. Pediatrics Nov 2017, e20173034; DOI: 10.1542/peds.2017-3034
  6. O’Dea JA. Prevention of child obesity: 'first, do no harm'. Health Educ Res. 2005; 20(2):259-65.